sexta-feira, 3 de outubro de 2008

AO FIM DA FESTA




Quando a festa acaba

os convidados se vão,

o murmúrio silencia,

restos ficam pelo chão,

desaparece a alegria

antes tão barulhenta

e cede lugar à depressão


Fragmentos de sorrisos,

palavras desencontradas

tudo no ar evapora

nas festas encerradas

como os mananciais

que secam e desaparecem,

vidas que se rendem à morte

em algum lugar sepultadas


Parece que tudo morre

ao terminar a festa

já ninguém mais ri

na grande sala deserta

então todos se calam

restarão só lembranças

de vozes e poucas melodias

resquícios de uma seresta


É só tristeza quando acaba

a festa...

*Imagem da internet

15 comentários:

Véu de Maya disse...

Passo para te agradecer a visita...li o teu poema com atenção...gostei dos eflúvios; deixa-se ler no seu fluxo imediato-o que é uma grande qualidade...

abraço

Val Du disse...

A festa não é o fim... mas o fim não é uma festa.

A música que toca agora é muito bonita.

Até mais.

Ana Maria disse...

Durante a festa, alegria contagiante, após a festa, tristeza no ar.
Obrigada pela sua visita e pelas palavras incentivadoras.
Beijinhos mel!

Gi disse...

Pode não ser; pode ser descanso, alívio; pode ser recordação.

Anônimo disse...

Hoje tive a grata satisfação de conhecer seu Blog, e confesso estou encantada com sua sensibilidade que Deus continue abençoando essas suas criações que tão bem fazem a nossa alma. http://madaylena.blogspot.com/

Muita Paz pra você.

Böcek disse...

hi gilbamar,
I put in my blog of google translate.. I wait everytime..
byes..

Ana Martins disse...

Olá,
há no meu cantinho prémios para si.

Beijinhos e um bom fim de semana.

EternaApaixonada disse...

Olá Gil,

Obrigada pela visita.
Sempre lindo aqui.
Fazendo uma analogia com a vida, teu poema descreve muito bem a etapa da partida... Estou certa na interpretação?
E a vida continua, dando início a outra festa, a outra, a outra... Até o ciclo terminar...
Bom, foi meu sentimento nessa hora da madrugada...
Bom fim de semana para você e família.
Beijos

Fa menor disse...

Façamos então da vida uma eterna festa! Para que não reste a tristeza mas apenas amor!

Obrigada por suas visitas.

Beijinhos

Pelos caminhos da vida. disse...

Bom dia Gilbamar.

Voltei.
Fim de festa,ficam-se as recordações das pessoas que ali estiveram.

beijooo.

Juliana Lira disse...

Oi

Lembrei dos fins de festa na casa de meus pais,e da enorme bagunça que ficava para arrumar rsrsrsrs
Mas tem um algo a mais,como se demonstrasse o fim de uma alegria,e a nossa alegria não pode morrer jamais!Depois da festa e da faxina ,vem o merecido descanso...

Obrigada pela visita,volte sempre ,pois voltarei mais vezes aqui


Beijos Ju

cynthia disse...

Todo termina cuando uno decide .. no solo cuando las luces y las voces se apagan.. eso solo es un indicio...

Pase a devolverte la visita.. gracias nos leeemos.

besos.

Gilbamar disse...

Sim eternaapaixonada, sua interpretação se encaixa muito bem no sentido do poema.

Mas tratando-se de uma obra poética, e como quase todas elas, há sempre outros vislumbres e olhares, outros conceitos e idéias. O coração ou a razão de quem lê é quem diz.

Abraços!

Tiago Soarez disse...

Agradeço sua visita!

Muito legal ver que as pessoas q entram no Bossa Nova curtem o que é colocado lá e procuram fazer algumas coisas que posto!

Gostei muito de seu comentário e vim conferir um pouco de seu espaço.

Chegando aqui, vejo um texto sobre Festa.

Achei bonito pelo fato de que vocÊ abordou o fim de uma festa exatamente como eu pensava quando era criança.

Sempre tive uma pessima sensação quando as festas acabavam! Li seu texto sem meditar em mais nada além da festa em si!

Grande abraço e muito obrigado

Bossa Nova Café - textos, música e arte!

Uma Ilha disse...

A vida em si já é uma festa, mas quando cada um deixa de viver se acaba uma imensa festa...
Abraço