sábado, 12 de dezembro de 2009

QUANDO A POESIA ME ABRAÇA

Sou, por assim dizer, um resto de sorriso,
fragmentos de saudades, ilha em mar revolto,
desenhista de sonhos, colecionador de flores,
vendedor de noites enluaradas, o grito da dor

Envolvo-me em nuvens quando a poesia me abraça,
fotografo beija-flores em pleno voo de êxtase,
deixo-me levar por belos entardeceres,
então a magia poética alimenta minha'alma

Quando fecho a noite e abro a madrugada
transporto-me para dimensões silenciosas
e enveredo por fantasias que vi nas estrelas
quando meu coração fascinou-se por elas

Ao acender o sol no limiar da aurora, sorrio,
enquanto passo a esponja e apago a lua
ligando o ventilador da brisa matinal
para afagar as folhas antes que caiam

Sou eu quem agita as belas palmeiras
para abanar os pássaros ao calor do dia,
sussurro o primeiro gorjeio convidando sabiás
para participar da sinfonia com as graúnas

Vida é combinação de quimera com anseios
e nesse sonho da multidão em devaneio
também estou planando nas asas da alegria
decerto uma bolha que o tempo explodirá

Gilbamar de Oliveira Bezerra

5 comentários:

Mundo Animal. disse...

HOLA BONITA POESIA, QUE DISFRUTES DEL FIN DE SEMANA

CHRISSSSSSSSSSS

Lara Amaral disse...

Com pedacinhos do mundo, às vezes esquecidos, compomos a poesia. Bonito texto. Abraços!

Maria Flor! disse...

Quando a poesia nos abraça o mundo inteiro fica diferente!
Belissímo texto!

Beijos da Flor!

Sonia Schmorantz disse...

Maravilhoso este poema!
um abraço e bom domingo para vocês

Adna disse...

muito, muito lindo esse texto!
PARABÉNS!!!
BOA SEMANA PARA TI!