domingo, 18 de julho de 2010

SAGRADOS JARDINS

Muita atenção se adentras um jardim,
disfarça tua presença ao respirar,
borboletas estão em volta do jasmim
e beija-flores se engalanam pra beijar

Não te percebes intruso no sagrado?
És nódoa num recanto do paraíso,
teus pés intimidam esse santuário,
revele-se tão-só em mero sorriso

Seja ali apenas brisa que chegou,
a simples folha pela rotina caída,
um pássaro que de ninho se enganou

Depois, em pouco se vá silencioso
como fugaz névoa desaparecida,
fazendo de conta que lá nunca entrou

Gilbamar de Oliveira Bezerra

2 comentários:

Gabiprog disse...

Un jardin sin muros, pero que debe protegerse en toda su belleza.

Feliz semana

Lara Amaral disse...

Belo poema, como sempre!

Beijo.