domingo, 31 de outubro de 2010

ENQUANTO VEM O ALVORECER

Ontem namorei o luar,
hoje reconto estrelas
esperando a madrugada
esmaecer a noite cansada
enquanto vem o alvorecer

Quiçá amanhã eu abrace a brisa,
me atire no mar das lembranças
desemboque na doce praia
onde golfinhos festejam a vida
ao longe, nas ondas, ao sol

Porque meu desejo é desenhar
a imaginação no éter volátil,
entoar músicas sorrindo,
por a mochila nas costas
e voar nas asas dos devaneios

E fluir como borboletas felizes,
enlaçar jardins como fazem
os apaixonados beija-flores,
ouvindo o que tem a dizer
o sussurro do vento nas
repentinas esquinas.

5 comentários:

Josselene Marques disse...

Gilbamar,

Que poesia mais linda!!!! Quanta riqueza de imagens. Amei!
É sempre um prazer passar por aqui.
Abraços para você e Ana.
Ah! Ótimo feriado.

Luana Ferraz disse...

Que lindo poema, uma combinação perfeita de palavras e imagens...

Romicas disse...

Que belo poema, Gilbamar. Daqueles que me faz ir atrás e imaginar todas as imagens "escritas" com as palavras simples que só um poeta sabe usar. Obrigada.

Sonhadora disse...

Meu querido

Um hino de amor e ternura neste lindo poema...amei.

beijinhos com carinho
Sonhadora

Maria disse...

Um poema maravilhoso, um excelente blog, vou acompanhar com muito prazer.
Tenha um fim de semana cheio de alegria e paz.
Beijinhos
Maria