segunda-feira, 16 de junho de 2008

ENFEITANDO O CÉU




Aves, centenas delas, enfeitando o céu
buscando, deveras, a ternura perdida,
os amores de outrora, as virtudes, o bem
da não-violência, os dons da fraternidade
*
O espaço pára e se queda embevecido,
no ar a festa de asas planando a beleza
que se espalha aos nossos olhos felizes,
e a vida, atônita, se deixa ir com a natureza
*
Por que os homens matam a fantasia
em forma de aves que coloram a Terra?
Por que só eles querem desfrutar o viver
como se fossem os donos da ambição?
*
Voem, aves, encham os céus de alegria,
que os nossos corações se enterneçam
com a graciosidade de seus vôos rasantes
com tonalidades multicoloridas e belas

Um comentário:

Marilda disse...

Bom-dia poeta!
Visitei o seu blog que está lindo e repleto de boas leituras.Sou leitora e participante do Recanto das Letras tb.Fui deixar comentários no seu Blog, na poesia em que fala de Pássaros e das flôres,mas não consegui,pois o Internet Explorer diz não poder abrir a página.Escrevo para avisá-lo disso,não sei se foi só hoje e comigo.Se puder verifique.Abraços...NM. (Marilda)