terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

CORDEL DESEMBESTADO

Eu meio que hesito tanto
para escrever um cordel,
fico trocando as palavras
misturo queijo com mel,
faço uma baita farofa
com pedaços de papel
.
Um folha verde farfalha
enquanto a brisa sussurra,
a cabra paquera o touro
mas da vaca leva surra
e o meu cordel nem se toca
quando ao longe a onça urra
.
Galopa o cavalo malhado
na pradaria encantada,
o carro velho resfolega
numa rua esburacada
mas as rimas não descubro
p'ra essa poesia danada
.
O dedo todo enfiado
no buraco do nariz,
passa o cara aloprado
chupando bala de anis
e eu fico embatucado
porque meu cordel não fiz
.
Que é dos versos perfeitos,
cadê minha inspiração,
os vocábulos se perderam
nos templos da ilusão?
Decerto meu cordel morreu
pelas sendas do coração
.
No pobre sertão tem seca
porém no Sul tem geada,
vejo o vaqueiro levando
aos berros a sua boiada,
mas o meu cordel parece
sinfonia inacabada
.
Nem lendo no dicionário
descubro como rimar,
os termos se me embaralham
talvez seja melhor parar
ora, se eu nem comecei
não posso o cordel terminar
.
Já vi que não vou conseguir,
sou um poeta sem jeito,
se quero rimar político
vem logo o termo prefeito,
mas se pretendo um cordel
nasce um texto com defeito
.
Acho que devo aprender
com o mestre Patativa,
lendo toda sua obra
fazendo nova tentativa,
porque p'ra fazer cordel
com talento e precisão
não é coisa relativa
.
Contudo, nem quero saber
quantos paus tem a canoa,
jogo p'ra cima as palavras
tentando uma rima boa,
e mesmo que o cordel não flua
faço ao menos uma loa

13 comentários:

tossan disse...

Espero qesteja bem. Bublime poema!
Abraço

Para ser grande,
sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa.
Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive.
Ricardo Reis

Adrisol disse...

precioso poema, querido amigo..........tan sentido y profundo como siempre y acompañado por esta bella canción que nos llega al corazón de todos los argentinos.......

felicitaciones y un fuerte abrazo, para tí y tu esposa

Val Du disse...

Oi, Gilbamar.
Sabe de uma coisa: é muito bom ler os teus poemas.
Descubro sempre algo interessante, emocionante, engraçado e por aí vai.
Deus te abençoe e conserve sempre muito inspirado.

Abraços.

Eliana disse...

Bom Dia, Gilbamar

Feliz por vê-lo de volta e com um belo Cordel desembestado.

Um abençoado dia para vocês,
Fiquem com Deus,

Níyume disse...

Regresar y encontrarme con tus palabras es una de los mejores momentos de mi día.
Un abrazo para ti y tu esposa!

Caperucita disse...

Siempre es bello leerte, precioso poema de una persona con gran corazón.
Besos.

Chirifulfly disse...

Exitações que quase sempre nos deixam mais envolvidos, quando permitimos seu desenrolar.

Chris disse...

Que lindo amigo, uma dança as suas palavras, quase cantante o texto, amei !
Obrigada querido, pelo carinho, suas visitas tão aguardadas e sempre encontradas, net voltou !!! hehehe. rs
Meio igual criança com picolé depois de uma semana de febre...rs (essa é a sensação, estou degustando o picolé ainda...)
Volto pra ler suas outras postagens, com mais calma

Bjs no coração, um lindo dia pra ti

Rose Tunala disse...

Muito bom vir aqui ler suas obras.

Me divirto bastante com os amigos do Recanto, brincando de cirandas de cordel. Nosso sexteto de cordel é um barato.

Beijos, boa tarde

Marcella Castro disse...

Tem selinho para você no meu blog! ;)
Beijo querido!

Multiolhares disse...

Temos de aprender com todos os mestres em especial com o mestre interno, e um dia aprendemos a construir a canoa
que nos leve em águas tranquilas.
beijos

krystyna disse...

Great poem, Gilbamar!
Your rhyme are so good, you are talented art soul.
Poem is like a life - unfinished symphony.

Be yoursef
and let your light shines.

Ana Martins disse...

Caro Gilbamar,
que doçura de poema!

Beijinhos e bom fim de semana,
Ana Martins