terça-feira, 2 de junho de 2009

A FELICIDADE

Ao longo de toda minha vida andei tentando cultivar a semente da tenra plantinha chamada felicidade com o máximo cuidado. Fui arando os espaços por onde caminhei, distribuindo sorrisos, engolindo em seco - algumas vezes também ficava aquilo preso na garganta dias e dias até, finalmente, descer goela abaixo quando a compreensão aliviava a mágoa no coração - os pescoções e sapos maiores do que minha capacidade de assimilar suportava. Precisei, como é de lei não escrita no relacionamento humano, renunciar tanto, baixar a cabeça incontáveis vezes, derramar lágrimas sobre o travesseiro enquanto refletia sobre fatos e atos, buscando entender o sentido de estar vivo quando inúmeros já tinham recebido o bilhete de ida sem retorno.

Fui percebendo, no passar do tempo, que para subsistir e ser completa a felicidade necessita de pequenas coisas do cotidiano, de detalhes simples, por vezes insignificantes, que fazem a grande diferença na contabilidade final e complexa desse estágio da existência tão anelado por todos nós. Todavia surpreendi-me ao descobrir o quanto a presença dos meus semelhantes é parte sin ne qua non dessa tal felicidade. Sem a presença imprescindível dos muitos próximos, em especial dos mais próximos como amigos, familiares, parentes e, claro, os amores, impossível seu desenvolvimento completo e sadio. Porque a felicidade, compreendi e me alegrei com essa assertiva, não vem sozinha e repentina como algo avulso ou uma folha seca trazida pelo vento. Para acontecer e tornar-se real, palpável e desfrutável a felicidade, da maneira como nós seres humanos a enxergamos, há que ter por base sólida, o esteio indispensável para firmar-se e permanecer, as demais criaturas dividindo conosco as benesses de seus gloriosos frutos.

De que maneira, então, é possível encontrar o caminho mais plausível para alcançá-la? Como isso é possível? Onde descobrir os contornos desse misteriosos e abstrato estado de vida tão ansiosamente procurado por todos os homens e mulheres?. O apoio e incentivo dos pais na infância, a amizade na adolescência, os braços amorosos da namorada, a constituição da própria família, o trabalho digno respaldado por salário adequado com vistas a um viver honroso e com qualidade, a leitura constante de bons livros e demais incentivos culturais que despertam o intelecto, enfim, todos os fragmentos de prazeres e alegrias brotando dia após dia fazem o painel de algo maravilhoso a que chamamos de felicidade.

Tropeços ocorreram porque são inevitáveis e inerentes a essa linda jornada onde nos colocaram nossos pais. Rosas e espinhos ocupam o mesmo espaço enquanto seguimos adiante. Temos consciência que a felicidade é construída aqui e ali, em momentos inesquecíveis bordados de risos contagiantes, com pedaços de alegria depois de escamoteadas as tristezas, olvidadas as desilusões. Penso que a felicidade me tem visitado vez por outra em seus frequentes retalhos e visíveis contornos, acreditando ser ela vivida de instantes, de pequenas pepitas de ouro que vamos encontrando no caminho escolhido por cada um de nós. Esse fabuloso êxtase a que denominamos de felicidade jamais será conseguido em sua totalidade por qualquer um de nós, porque ela se caracteriza nos lampejos momentâneos que nos dão prazer e a doce sensação de ser feliz. Lampejos esses inconstantes, inesperados e nem sempre à mão.

6 comentários:

Lujo disse...

Hola Gilbamar,
Tus palabras son muy sabias. Sobre todo, ese agradecimiento a la vida por darte la oportunidad de entender lo que ocurre a tu alrededor.
Te felicito por tener las ideas tan claras.
Un abrazo muy grande.

Anne Lieri disse...

Gilbamar,uma cronica perfeita com intensa reflexão sobre a felicidade.Creio ser mesmo uma pepita de ouro que é dificil encontrar.Ninguem é feliz o tempo todo,mas temos esses lampejos de felicidade que devemos aproveitar ao máximo!Abraços,

paula barros disse...

Enquanto procuramos a felicidade eterna, ela está presente no dia a dia, nas pequenas coisas.

Assim penso que seja com o amor. Que tanto idealizamos, em vez de viver momentos sublimes de amor, de entrega, de companheirismo, valorizando as pessoas.

Texto excelente.

Já tinha postado? Tive a sensação de já ter lido.

Fiz uma viagem pelo interior de Pernambuco, e lembrei das suas fotos pelo interior da Paraiba.

abraços

Adrisol disse...

siempre tan claro en tus apreciaciones...
una entrada muy interesante!!

un abrazo para tí...
besitos para tu esposa

≈ Estrellita ≈ disse...

(¯`°v°´¯)_
_(_.^._)__
♥ Buenas tardes como estas hoy ? deseo que todo muy bien , pase a leerte y a dejarte un fuerte abrazo con cariño deseandote una linda tarde -).. Estrella...♥

Níyume disse...

Querido amigo, despu{es de un tiempo sin saber mis amigos bloggers, regreso para encontrarme con tus sabias palabras y con la belleza de tus ideas.
Un abrazo para la bella Ana y para ti.