domingo, 26 de julho de 2009

AQUELES MOMENTOS


Silêncio rasgado por débeis sussurros,
rítmicos movimentos suaves e envolventes,
súbito, altos gemidos, quase urros
corpos que se fundem e colam, aderentes

Respiração em pressa, sôfrega e afogueada,
mãos que se procuram com ansiedade,
enlace completo como naves acopladas,
instante em que se abala toda saudade

Lábios entreabertos à procura de beijos
que matam, sufocam e causam prazer
e fazem do momento essa arte do desejo
a prolongar-se quase infinito, quiçá morrer

Depois da explosão, o ápice, as contorções,
os dois estão, enfim, felizes, realizados,
no pensamento, alegria, o bem das emoções,
e ficam ali, juntos, rindo, ébrios, abraçados

5 comentários:

Mai disse...

Ufa! Gil, está calor ai ondemoras?
Aqui está bem frio. Texto ardente, palpitante, ritimado, cadenciado por mãos de poeta e corpos de amantes.
Sim felicidade e sorrisos dos amantes nesses momentos, 'aqueles momentos'...

Abraços,

Adrisol disse...

un poema cargado de amor y sensualidad!!
me encantó...

un super abrazo,amigo

buena semana

Josselene Marques disse...

Olá! Boa noite amigo!

Mais um poema de qualidade. Achei linda a forma como você descreveu o ato. Parabéns!
Tenha uma ótima semana e recomendações à sua musa.

Fraternal abraço.

Vinícius Aguiar disse...

Nossa! Perfeita descrição poética de um dos mais lindos momentos... fiquei extasiado, de verdade! Cada vez que venho aqui deparo-me com textos mais geniais, parabéns!

(Carlos Soares) disse...

Intenso como o momento descrito, que não merecia algo menos belo. Um abraço