quinta-feira, 27 de agosto de 2009

FASCINADO OLHANDO O CÉU


Muito mais que de repente uma estrela cadente riscou o negrume do céu e desceu apressada na direção do risco invisível do horizonte. Um belo fenômeno cósmico, talvez motivo inesperado de poesia ou, quem sabe?, somente algo para olhar e admirar com espanto e fascínio. Vi que a lua, quarto crescente, avultava no espaço anelando atrair para si os olhares humanos, e nada nem ninguém seria capaz de mudar aquele instante de mágico egocentrismo. Tudo que existe na terra e no espaço está sempre procurando uma maneira de se por em destaque, até mesmo as mais insignificantes aos nossos olhos. Vejam as formigas, por exemplo, ou os girassóis que se voltam para o sol. A vida é dinâmica, e tudo ao redor dela também o é. Por que não os astros? Certamente eles também tem lá suas idiossincrasias inexplicáveis e misteriosas, embora na mente dos astrônomos estejam sempre as explicações técnicas mais intrincadas que pioram ainda mais o entendimento do leigo no assunto. Prefiro ser apenas um romântico quando estou olhando o céu.
Quando a estrela desapareceu no ar, tendo sido decerto pulverizada pela entrada na atmosfera terrestre, vagueei o olhar pela imensidão celeste pensando quão incomensurável e verdadeiramente insondável nos parece o firmamento e demais impenetráveis outros mundos além, muito além. De determinado ponto em diante do Cosmo, lá pelas profundezas distantes anos-luz de nossas ínfimas possibilidades humanas, ocultam-se, como se de propósito para que os homens não saibam suas razões de existir, os meandros do desconhecido, parâmetros inusitados demais ao nosso raciocínio, e nos vem a escuridão da ignorância sobre a necessidade da existência de todos aqueles estranhos e longínquos universos. Há razões concretas para tudo que existe tanto lá no alto quanto cá embaixo, mas nesse labirinto não logramos entrar e nem ao menos sobre ele cogitar. É algo grande e imponente demais à débil mentalidade do homem. As brilhantes mentes dos cientistas ainda não conseguiram chegar até eles, e provavelmente jamais os alcançarão, se bem saibamos que o impossível hoje tantas vezes se mostra possível e palpável amanhã.
E fiquei a conjeturar a respeito do maravilhoso equilíbrio verificado em cada peça desse astronômico tabuleiro céu afora, quase inimaginável e eivado de difusos mistérios, por demais incompreensível aos nossos ainda parcos saberes. Somos pequeninos grãos de poeira nessa vasta área espacial infinita, que aos nossos olhos pueris se mostra a perfeição mais completa e complexa que o cérebro humano pode pensar em tentar definir. Só podemos nos fascinar admirados olhando o firmamento enquanto algumas estrelas caem e os cometas passeiam distraídos.

12 comentários:

Anne Lieri disse...

Gil,que texto perfeito,maravilhoso e reflexivo!Há mesmo mais mistérios entre o céu e a terra...rsss...abraços,

Princesa disse...

Olá amigos
A felicidade é construída todos os dias, nos pequenos detalhes, nos encontros e nas reflexões.
Eu acredito na felicidade e
sei que Deus diz sim para aquilo
em que acreditamos. Se sua vida não está
do modo como você gostaria,
dê um jeito de transformá-la.
É o maior presente que pode dar a si mesmo.

um beijo

Carmem disse...

Gilbamar!...
A algum tempo não vinha aqui ler teus textos e poemas... E quando volto me deparo com algo tão especial... Gostei muito e voltarei mais vezes para não perder nada!...

Beijo

Gabiprog disse...

Hay equilibrio, siempre lo hay, excepto cuando el hombre anda cerca... desgraciadamente.

Un abrazo!

Adrisol disse...

encontrando misterios entre el cielo y la tierra..
fantástico!!
me encantó.......

besos y buen finde

Paula Laranjeira disse...

Aqui um novo olhar sobre o céu, cheio de contemplação... transpondo a distancia entre estrelas e nosso olhar longínquo...adorei!

Abraços

Paula Laranjeira disse...

Olá Gilbamar,

venho convida-lo a conhecer o blog http://aleilton.blogspot.com/
autor baiano que vem se destacando cada vez mais na literatura brasileira....abraços

Isa Bettencourt disse...

Parabens Gilbamar :)
Que conte muitos mais ;)

bjins :D

Ana Maria disse...

Sempre com textos significativos.
Adoro vir aqui, sempre fico contemplando .
Beijinhos no seu coração.

Ilaine disse...

Ah, poeta!
Este texto está muito lindo. Realmente, somos pequeninos grãos diante de tanta beleza e imensidão.

Beijo

Josselene Marques disse...

Olá, meu amigo!

Lindo texto. Quanta inspiração!
Infelizmente, não pude lhe deixar um recadinho, ontem, pelo seu aniversário. Estávamos sem conexão.
Quero que saiba da minha admiração pelo ser humano que você é. Desejo que sua vida seja sempre maravilhosa, ao lado de sua musa.

Abração.

Dalinha Catunda disse...

Olá Gilbamar,

Nota-se claramente sua sensibilidade, seu conhecimento e acima de tudo sua criatividade nos textos que nos brinda.
Parabéns,
Dalinha Catunda