domingo, 16 de agosto de 2009

UM PREÇO A PAGAR

Todas as estradas da vida tem seu preço, por onde quer que andemos. Cada olhar ou sorriso, os simples gestos de emoção, o ir e vir, exibem bem delineados os valores a serem pagos tão-logo enveredemos por eles. Porque tudo na existência dos seres, humanos ou não, exige sua reciprocidade. Viver é pagar tributos, é dar com a mão direita e receber com a esquerda, algo como toma lá, dá cá. E não necessariamente o valor a ser considerado nesse diapasão é medido por sua densidade física
nem pelo significado monetário que possa expressar. Pode ser algo deveras mais profundo, e inúmeras vezes é realmente, a ponto de provocar sequelas permanentes, angústias recorrentes, medos, suspiros. Em diversos momentos e circunstâncias, torna-se quase impossível calcular quanto pagamos no âmbito psicológico, moral e emocional.

O próprio amor, até ele mesmo, sim, com suas nuances e mistérios, tem seu preço. Alto, em diversas ocasiões. O materno, por exemplo, e por lógica também o paterno, é obtido depois de um demorado e muitas vezes doloroso caminho percorrido, e ao longo do seu trajeto como sai caro alcançá-lo e usufruí-lo como certamente gostaríamos. O namoro, as brigas, as lágrimas, as discussões, o casamento, as cobranças mútuas do casal, a gravidez com suas muitas e nada agradáveis consequencias para a mulher, os nove meses de espera, as dores do parto em qualquer situação. Há um insofismável resgate por tudo isso, impossível dissociar-se de seus meandros. O preço a ser pago pelo pai, guardadas as devidas proporções, não fica muito atrás, embora em campos bem diversos do sentido pela mãe. Entender a esposa, cuidar dela com o merecido carinho e a imprescindível atenção, ficar atento a possíveis problemas decorrentes do processo de crescimento do filho no ventre dela, preparar-se em todos os sentidos para receber a nova vida com seu universo transbordando de vontades, seu gênio diferente, a personalidade individual tão inerente a cada ser.

Um feto no ventre da mãe também em pouco pagará, por sua vez, um alto valor por ter sido gerado, antes mesmo de nascer. Por usufruir como verdadeiro corpo estranho invasor um lugar especial no confortável espaço cedido pela natureza materna está sujeito às transformações hormonais e aos humores dela. Qualquer impacto físico ou emocional sofrido pela mãe será, obviamente, capaz de alterar, na mesma proporção, as batidas do seu coração e, mesmo, deixar marcas indeléveis ao longo da vida. Sem esquecer que, completado o ciclo normal de gestação, ele se tornará semelhante a um fardo intruso no organismo feminino acolhedor e precisará ser expulso o mais rápido possível. Para o seu bem e dela. Como se vê, tudo traz consequencias, como na regra de causa e efeito.

Até mesmo a liberdade tem seu alto preço, como tudo na existência humana. Assim, é concreto que todos pagamos, de uma forma ou de outra, por cada instante vivido, sejam quais forem as razões estabelecidas pelo destino. E ninguém, absolutamente ninguém, conseguirá ficar isento desse compromisso traçado pelo próprio ato de viver.

13 comentários:

Cleo disse...

Gilbamar, quanto tempo não passo por aqui. tantos textos maravilhosos.
E sempre pagamos um preço por tudo mesmo. até para sonhar.....e se perder no sonho....rsrsrsrs.
Beijos e uma semana maravilhosa prá ti.
Cleo

paula barros disse...

Interessante que há dias penso nesse tema, tanto o dar e o receber, como o preço que se paga pelas escolhas.

E de ontem para hoje com a morte de um blogueiro amanheci pensando que até as amizades virtuais nos fazem pagar um preço, temos ganhos muitos, e sofremos a dor e a tristeza de quando se vão.

abraços

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDO GILBAMAR... TEXTO ABSULOTAMENTE SUBLIME... VOTOS DE UMA BOA SEMANA... ABRAÇO-TE COM TODO O MEU CARINHO,
FERNANDINHA

Mundo Animal. disse...

(“)_(“).-“”’-.,/)
; ° ° ‘; - ., , ‘ )
(♥_, )’__,)’-._)

HOLA QUE BONITO POEMAA QUE DISFRUTES DE UNA LINDA SEMANA
CHRISTIANN

Christi... disse...

Gostei muito Gil do texto, até a liberdade tem seu preço, e muitos são os preços que valem á pena pagar, a liberdade é um deles.
bjs, uma semana de paz pra ti e família.
Chris

SAM disse...

Não gosto de pensar assim... As vezes ,realmente em algumas situações, acho que pago excessivamente por algo que sequer busquei ou fiz. Há coisas que temos que não se compra. Prefiro pensar nestas e me orgulhar sigelamente delas.


Linda semana, Gibamar! Beijos

Ava disse...

Gilbamar, as vezes um pço alto demais...Por viver...


As vezes fico endividada...rs Tanto a pagar...


Muito boa sua crônica...


Beijos em seu coração!

•.¸¸.ஐBruneLLa França disse...

Às vezes, o preço é mais alto do q conseguiremos pagar, mas ainda assim, insistimos em sofrer a prestações.

Beijos e borboleteios

Ana Maria disse...

Tudo tem caminhos e seus preços.
Nada é fácil de realizar.
Beijinhos!

Rosana Ibanez disse...

Lindo poema e muito verdadeiro! E é verdade, pois tudo tem seu preço nessa vida e as vezes pagamos alto demais!
Bjs

Josselene Marques disse...

Olá, amigo!

Excelente crônica. Quantas verdades... Quanta sabedoria.
Parabéns!
Tenha uma ótima semana.
Abraços para você e Ana.

Gabiprog disse...

Libertad y vida, grandes palabras, pero también grandes responsabilidades!

Un abrazo.

Sonia Schmorantz disse...

Andamos, andamos e não temos todo o tempo que gostaríamos de ter para visitar os amigos, é muito bom vir aqui ler!
Um abraço para vocês e uma ótima quinta-feira